Saltar para o conteúdo principal
Breadcrumbs

Futuro instrumento para estudo de buracos negros faz descoberta na primeira observação

Tópicos

O GRAVITY é o instrumento mais poderoso instalado até à data no Very Large Telescope Interferometer (VLTI), o mais avançado telescópio na região da luz infravermelha do mundo, situado no observatório do ESO, no deserto do Paranal, no Chile. GRAVITY tem como objetivo principal o estudo de buracos negros. Esta semana, o ESO anunciou as primeiras observações feitas pelo GRAVITY. Uma equipa do CENTRA – Centro Multidisciplinar de Astrofísica das Universidades de Lisboa e do Porto participou na construção deste poderoso instrumento.

Já considerado a prioridade científica do ESO nos próximos tempos, o GRAVITY combina a radiação captada por vários telescópios para formar um telescópio virtual com um diâmetro que pode ir até aos 200 metros. Recorre a uma técnica conhecida por interferometria, que permite detetar muito mais detalhes em imagens de objetos astronómicos do que o que seria possível com um único telescópio. Na sua primeira observação fez já uma pequena descoberta: uma das estrelas do agrupamento localizado no coração da região Orion é uma estrela dupla.

GRAVITY discovers double star in Orien system

A equipa portuguesa do CENTRA construiu a câmara de aquisição do instrumento. Este sistema segue os objetos astronómicos e corrige as aberrações residuais introduzidas pela atmosfera da Terra e por pequenas vibrações mecânicas do instrumento nos feixes de luz que são combinados, permitindo alcançar a excepcional precisão do instrumento. 

Após esta fase a equipa portuguesa prepara a exploração científica do instrumento focando-se no estudo do buraco negro no centro da nossa galáxia, e no estudo das origens das estrelas e planetas. A participação portuguesa no instrumento GRAVITY foi parcialmente financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Imagens, de cima para baixo:

  • GRAVITY — futura sonda de buracos negros
  • GRAVITY descobre nova estrela dupla no sistema Orion.

(Fonte: ESO – Observatório Europeu do Sul)