Saltar para o conteúdo principal
Breadcrumbs

José Mariano Gago (1948 – 2015)

Tópicos

A FCT regista com profundo pesar o falecimento de José Mariano Gago. Cientista, presidente da JNICT e ministro, figura maior da Ciência em Portugal, Mariano Gago tornou-se uma referência para uma geração inteira de cientistas, usufruidora do seu inestimável legado para a ciência, para a tecnologia e para a cultura científica em Portugal. 

A FCT associa-se à iniciativa da comunidade científica de prestar uma sentida e merecida homenagem a José Mariano Gago, na próxima segunda-feira, dia 20 de abril. Pede-se que, ao meio dia, os investigadores e restantes colaboradores dos centros de investigação e faculdades se concentrem em frente das portas principais das respetivas instituições, por 5 minutos.

Enquanto Ministro responsável pela área da Ciência, José Mariano Gago colocou o desenvolvimento científico e tecnológico do País na agenda política. Implementou ou abriu caminho a mudanças fundamentais no tradicional sistema nacional de investigação científica, promovendo a sua modernização e internacionalização.

Promoveu uma ruptura geracional com o sistema de investigação científica do passado, abrindo espaço para novos investigadores e novos institutos de investigação, alicerçados na avaliação internacional por pares e na exigência. Apostou na internacionalização da Ciência, através, por exemplo, da adesão de Portugal às principais organizações científica internacionais (o CERN, a ESA, o ESO, o ESRF) e da criação de parcerias com as principais universidades dos EUA.

Defendia a apropriação da cultura científica pelos cidadãos como um dos suportes centrais do desenvolvimento científico e tecnológico de Portugal. Através da criação da Agência Nacional para a Cultura Científica – Ciência Viva, e de outras medidas, promoveu o envolvimento direto de investigadores, de organizações públicas e privadas, de estudantes e suas famílias e dos cidadãos em geral no crescimento da Ciência em Portugal. 

Foi o primeiro ministro com a pasta da Ciência em Portugal, tendo desempenhado o cargo em quatro governos: de 1995 a 1999, de 1999 a 2002 e, finalmente, de 2005 a 2011, já como Ministro da Ciência, da Tecnologia e do Ensino Superior. Foi presidente da Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica (JNICT), antecessora da FCT, entre 1986 e 1989. Enquanto Presidente da JNICT organizou as primeiras Jornadas de Ciência e Tecnologia (1987), lançou nessa sequência o Programa Mobilizador de C&T (1987-1989) e iniciou as negociações para o primeiro programa de financiamento estrutural para a Ciência e a Tecnologia – o Programa CIÊNCIA que vigorou de 1990-1993). Internamente, reorganizou o sistema consultivo da JNICT, introduzindo um nível especializado por área científica e um conselho consultivo de carácter genérico.

Em 1997, como Ministro, dividiu a JNICT em três organizações autónomas: a FCT (financiamento), o Observatório da Ciência e da Tecnologia (OCT, com a componente de estatística e estudos) e o ICCTI (para as relações internacionais).

Deixamos um extracto do discurso do Ministro do Plano e da Administração do Território, Luís Valente de Oliveira, na posse de José Mariano Gago como Presidente da JNICT, em 1986, que ainda ressoa hoje, “A Ciência e a Tecnologia devem hoje ter um objetivo comum e esse é o desenvolvimento harmonioso do País (…)

Por isso se procurou que o novo Presidente da JNICT não fosse só um grande especialista, mas integrasse as qualidades de um cientista-humanista, capaz de conciliar a investigação pura com a aplicada, as Humanidades com as Ciências, a Ciência com a Tecnologia, a Tecnologia com a Economia, e a Economia com a Sociedade e com o Homem, destinatário final de todos os nossos esforços e centro de todas as nossas preocupações.

Deveria, ainda, o novo Presidente ser uma pessoa de diálogo fácil e com capacidade de persuasão, porque se torna urgente sensibilizar muita gente para a Ciência e para a Tecnologia. Deveria ser ainda ser sensível aos interesses regionais e, numa tradição muito portuguesa, estar aberto ao Mundo e valorizar as relações internacionais, sem ser um estrangeirado.”

A homenagem da FCT ao Professor Mariano Gago em 20 de abril de 2015.