Saltar para o conteúdo principal
Breadcrumbs

Lars Montelius é o novo diretor da INL – uma “pedra preciosa”

Tópicos

Na sua apresentação como o novo Diretor do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), Lars Montelius, físico sueco com mais de 20 anos de trabalho na área das nanociências, identificou o desafio que o centro enfrenta como o de “tornar o INL verdadeiramente um farol internacional, claramente visível não apenas para Portugal e Espanha, mas também para a Europa, os EUA e a Ásia”.

Para responder a este desafio, o novo diretor realçou a grande oportunidade que o INL tem de começar uma cooperação regional mais próxima, interagir com a sociedade e fazer mais ligações locais, mas também numa perspetiva europeia e internacional. “É um lugar único para o desenvolvimento da ciência de nanotecnologia. É um sítio fantástico para fazer fantástica investigação e, no contexto internacional, é como uma joia rara escondida, muito poucos sabem da sua existência, mas pode vir a ser muito importante para a investigação e inovação, não apenas para Portugal e Espanha, mas também do ponto de vista europeu”, disse.

O INL é o primeiro laboratório internacional da Europa dedicado exclusivamente à nanociência e nanotecnologia. Foi criado em colaboração pelos governos português e espanhol, em 2005, funcionando desde 2009. Desenvolve investigação na nanotecnologia com especial relevo na nanomedicina e controle de qualidade alimentar e ambiental. Nos últimos três anos, o Governo português tem procurado abrir o INL à cooperação internacional, quer através de ligações a iniciativas e redes europeias na área das nanotecnologias, quer estabelecendo relações científicas bilaterais centradas no Laboratório. Os acordos assinados com a China, com o Brasil, com a Argentina ou com a Argélia são exemplos de colaborações internacionais já estabelecidas.

Na apresentação do novo Diretor, a Secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, agradeceu a dedicação com que a anterior Direção realizou o excelente trabalho na criação e na consolidação do Laboratório, realçando o “novo ciclo que se quer que seja, simultaneamente, de abertura ao exterior e também de integração nas políticas de desenvolvimento nacional e regional de Portugal e de Espanha”.

Os Governos de Portugal e de Espanha nomearam um comité de prestígio formado por quatro membros da comunidade internacional da Ciência e da Inovação, a quem atribuíram a tarefa de selecionar, sem quaisquer restrições de nacionalidade, a pessoa a ficar à frente do INL. Lars Montelius foi o selecionado, tendo assumido funções a 1 de setembro de 2014, por um período de cinco anos. É Professor de Nanotecnologia na Universidade de Lund, Suécia, com interesses específicos na interação da nanotecnologia com as Ciências da Vida, especialmente na área das neuronanociências. Tem mais de 165 artigos científicos publicados e 22 registos de patentes, tendo fundado também várias empresas de base tecnológica nesta área. Foi entre 2009 e 2011 diretor da Oresund Science Region, uma iniciativa de cooperação entre a Suécia e a Dinamarca, que envolve 12 universidades, várias entidades regionais, seis parques de ciência, duas mil companhias e doze mil investigadores.