Saltar para o conteúdo principal
Breadcrumbs

Microcirculação da placenta pode influenciar malária na gravidez

Tópicos

Um estudo publicado na última edição da revista científica PLOS Pathogen fornece novas pistas acerca da infeção pelo parasita da malária durante a gravidez. A equipa de investigação liderada por Carlos Penha-Gonçalves do Grupo de Genética de Doenças do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) observou, pela primeira vez, o fluxo sanguíneo na placenta de um ratinho vivo.

O estudo, financiado pela FCT, mostra como a circulação sanguínea na placenta pode influenciar a infeção local causada pelo parasita da malária, que pode provocar abortos, nados-mortos, prematuridade, atraso no crescimento uterino e baixo peso ao nascer.

A observação in vivo revelou que a circulação sanguínea na placenta não é homogénea, existindo áreas com maior e menor fluxo sanguíneo, nas quais o comportamento do parasita da malária é diferente: verifica-se uma maior acumulação de parasitas nas regiões com baixo fluxo sanguíneo. Nestas regiões, as células da placenta e do sistema imunitário do ratinho assaltam os glóbulos vermelhos infetados, tentando eliminar o parasita, e despoletando reações inflamatórias que causam os sintomas da doença. Reproduzir este estudo na placenta de humanos seria, segundo Carlos Penha-Gonçalves “(…) interessante (…), tendo em consideração que a microcirculação na placenta humana é bastante diferente.”