Saltar para o conteúdo principal
Breadcrumbs

Participação de Portugal no programa Horizonte 2020 com resultados inéditos

Tópicos

Com quase dois anos decorridos do Horizonte 2020 – Programa-Quadro Comunitário de Investigação & Inovação, os cientistas, as unidades de investigação e as empresas de Portugal captaram 204 milhões de euros de financiamento, o que corresponde a 1,8% do financiamento total a concurso. Estes resultados traduzem uma melhoria significativa em comparação com os 1,15% de fundos captados no programa quadro anterior, o FP7, e sugerem que a comunidade de I&D nacional está no bom caminho para atingir a meta de 1,5% estabelecida para o período global de 2014-2020.

Em 2014 Portugal conseguiu captar no total cerca de 146 milhões de euros dos aproximadamente 8,5 mil milhões de euros atribuídos pelo Horizonte 2020 (taxa de sucesso de 1,75%). Tendo Portugal contribuído com cerca de 120 milhões de euros em 2014, o país deixou de ser contribuinte líquido deste tipo de financiamento e conseguiu, pela primeira vez na história da captação de fundos competitivos europeus para a ciência, obter mais financiamento do que aquele que o país investiu no programa.

Esta tendência positiva manteve-se em 2015: com cerca de um terço dos concursos apurados, os resultados até ao momento indicam que o país já captou 2% do orçamento total disponível – novamente bem acima da meta de 1,5% para o período de sete anos do Horizonte 2020.

FP7 & H2020

Entre as 413 propostas com participação de Portugal aprovadas, há até agora 97 coordenadas por entidades portuguesas, incluindo 11 do programa Twinning. O Twinning permite estabelecer parcerias entre entidades de países considerados de baixo desempenho científico com instituições europeias líderes mundiais, incentivando o reforço da capacidade científica e da internacionalização das instituições dos países elegíveis.

As 11 propostas Twinning portuguesas selecionadas para financiamento (entre 65 financiadas a nível europeu), representam cerca de 11,2 milhões de euros, dos quais 6,17 estão destinados a instituições nacionais, e o restante a parceiros internacionais que com elas irão colaborar. As instituições nacionais são o Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa (3 contratos), o Instituto 3B’s a da Universidade do Minho (2 contratos), o INESC-Porto, o Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, a UNINOVA, a Universidade de Coimbra, a Universidade de Lisboa e o CIIMAR – Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental.

Os resultados globais da participação portuguesa no H2020 podem ser consultados aqui (atualizados periodicamente).